Reflexões sobre a decisão de Cloud vs. OnPrem

cloud-vs-on-premise

Neste artigo vou expor algumas breves considerações sobre a comparação destinada à tomada de decisão entre soluções Cloud (Nuvem) e OnPrem (On-Premises, no próprio local).
Entretanto também surgiu o modelo Hybrid (Híbrido, ou soluções combinadas da Cloud e OnPrem).

Cloud

Caraterísticas

  • Funcionalidades uniformes, porque são serviços desenvolvidos por uma única empresa com critérios muito gerais.
  • Serviços executados em centros de dados externos (enormes armazéns cheios de servidores).

Vantagens

  • Preços de serviço bem definido. Permitem incorporá-los numa simples folha de cálculo e fazer previsões.
  • Não há custos surpresa.
  • Não há necessidade de lidar com pessoal de IT e discutir todo tipo de termos técnicos sobre os quais temos que tomar decisões sem perceber completamente o que representam.

Desvantagens

  • Não podem ser infinitamente adaptados às necessidades da empresa. Se comparamos com um modelo de carro, podemos escolher entre o motor A, B ou C e definir o pack comforto pretendido e pouco mais.
  • Não temos controlo direto sobre o serviço. Se alguma coisa falhar do lado do vendedor, só nos podemos sentar e reclamar.
  • Os nossos dados (e serviços) podem estar sujeitos à legislação do país onde temos os dados alojados. Dependendo da confidencialidade dos mesmos, isto pode ser um problema.

Riscos

  • Se Perdemos a ligação à Internet, a empresa inteira deixa de poder trabalhar (naquele serviço concreto).
  • As comunicações entre países podem ser cortadas (raro, mas possível). Basta considerar situações em que um cabo submarino é cortado acidentalmente ou propositadamente. Muitos centros de dados estão ubicados em zonas geográficas distintas do nosso próprio país. Mais uma vez, a empresa inteira deixa de poder trabalhar (naquele serviço concreto).
  • O conjunto de servidores onde estão alojados os nossos dados podem falhar sem possibilidade de recuperação. Muitas vezes o serviço de cópia de segurança deve ser requisitado explicitamente, ou pagar muito mais para ter redundância de dados noutros centros geográficos.
  • O centro de dados pode ser destruído completamente. Até a data, que eu saiba, não aconteceu, mas não é impossível. À medida que as empresas vão pondo todos os seus ovos no mesmo cesto, este ganha relevância e chama a atenção. Um ataque terrorista ou uma catástrofe natural pode destruir um desses centros de dados, arrastando com ele todos os dados de todas as empresas que lá os tenham alojado. Este é um cenário que considero que é negligenciado por todos, e só se tomará consciência depois disso acontecer.

OnPrem

Caraterísticas

  • Funcionalidades distintas porque podem ser desenvolvidas por distintas empresas ou técnicos e de acordo com as necessidades da empresa em cada momento.
  • Serviços executados em servidores próprios ou centros de dados internos.

Vantagens

  • Os sistemas podem ser adaptados até a mais ínfima necessidade do negócio, dependendo de quão longe estamos dispostos a ir.
  • Os sistemas são responsabilidade direta e podemos substituí-los ou pressionar os prestadores de serviço.
  • A perda da ligação à Internet não tem porque impactar o funcionamento interno.
  • Os dados permanecem confidencias.

Desvantagens

  • Custos muito variáveis, porque é preciso lidar com as avarias, novas licenças, novos servidores, etc.
  • É preciso lidar com pessoal de IT ou empresas de suporte e participar em discussões onde nem sempre é claro qual o melhor caminho.

Riscos

  • Normalmente os sistemas estão completamente concentrados nas instalações principais da empresa e, portanto, são vulneráveis a todo o tipo de eventualidades como incêndios, inundações, sismos, furto, etc. No entanto não é impossível replicar os dados para fora da empresa e minimizar um impacto negativo.
  • Raramente se conta com equipas inteiras dedicadas completamente a monitorizar a segurança e acesso aos diversos serviços.

Qual é o melhor modelo para a minha empresa?

Como já deve estar à espera, não há uma resposta única, e tudo depende das suas necessidades particulares.

Normalmente fico com um pé atrás sempre que são introduzidas novas tecnologias ou simplesmente novas tendências. Muita gente atira-se para elas porque são o que está na moda e querem aparentar modernice e sofistificação a qualquer custo, sem ter em conta todas as implicações.

A escolha dum modelo e outro, para além dos requisitos técnicos e financeiros, tem um impacto direto nas funções da empresa e da sua capacidade de resposta perante eventos dispares.
As soluções na Cloud representam um One-size-fits-all (Um único tamanho para todos, ou como se atribui a Henry Ford: «produzimos os carros em qualquer cor, desde que o cliente queira preto»). Normalmente permitem limitadas personalizações, e é difícil adicionar outra que o vendedor não considerou logo de início. Isto obriga a que seja o cliente que tenha que adaptar o seu fluxo de trabalho às opções do vendedor. Ao mesmo tempo, representam um padrão que permite uniformizar rapidamente esse mesmo fluxo de trabalho em todas as empresas.
As soluções OnPrem são mais diretas e personalizáveis e, bem geridas, permitem fazer exatamente o que a empresa quer e como quer. Mal geridas, podem transformar-se num bloqueio do bom funcionamento da empresa e ser uma sangria constante de dinheiro e de esforços.

Em termos financeiros, os serviços na nuvem ficam mais caros do que os serviços OnPrem (caso contrário, não estariam a empurrar-nos nesse sentido). Dito isto, são muito interessantes quando temos variabilidade nas necessidades. Nesse caso, os serviços Cloud permitem cobrir os excessos de carga de forma fluída.

Num caso ou noutro, o que é importante é ter as ideias claras daquilo que se pretende a longo prazo, e tendo em conta as vantagens e desvantagens de cada opção, tomar a melhor decisão.
Finalmente, ser consciente que é sempre possível mudar de um para o outro e que retificar (seja no sentido que for) é de sábios.